Pr. IsmarLivros MensagensEstudosFotosContatos LinksHome

   
  UM DIÁLOGO. ...  
  VOCÊ QUER JESUS? E ELE QUER VOCÊ ...  
  Veja Mais ›  
 

 
  O CUIDADO COM A OBRA DE DEUS ...  
  O LAR A LUZ DA BÍBLIA ...  
  Veja Mais ›  
     
 

 
 
 
(11) 97374-6766
 

  
 
 

 
 

 
 
 EXISTE ALGUMA DIFERENÇA ENTRE A Igreja do passado e a igreja do presente (2014)?

 

Como era a igreja no passado? Como está sendo a igreja hoje?

Vamos apenas fazer um resumo desses assuntos.

Duvido que essa matéria não seja contraditada por alguns dos lideres atuais.

A Igreja no inicio era assim: Tinham tudo em comum e com isso se acomodaram em Jerusalém, até que veio uma perseguição aos cristãos, eles obedecendo às ordens de Cristo no que concerne o ide por todo mundo a pregar o evangelho se espalharam como tochas de fogo por todas as partes anunciando a salvação em Jesus Cristo. Veja a perseguição em Jerusalém; Estevão foi morto, Atos 7:58  “E, expulsando-o da cidade, o apedrejavam. E as testemunhas depuseram as suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo”. Herodes matou Tiago á espada e Pedro escapou da morte por um milagre, Atos 12:1,2e11 “Por aquele mesmo tempo, o rei Herodes estendeu as mãos sobre alguns da igreja para os maltratar  e matou à espada Tiago, irmão de João. E Pedro, tornando a si, disse: Agora, sei, verdadeiramente, que o Senhor enviou o seu anjo e me livrou da mão de Herodes e de tudo o que o povo dos judeus esperava”.  Na simplicidade eles esperavam que a volta de Jesus fosse aos seus dias, então vendiam suas propriedades e depositavam o valor aos pés dos apóstolos, Atos 4:34 “Não havia, pois, entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido e o depositavam aos pés dos apóstolos”. Mas há de se notar que a igreja vivia em constante oração e Deus cooperava com eles. Ao saírem de Jerusalém estabeleciam igrejas por onde passavam, mas as perseguições também se estendiam por todas as partes, o objetivo dos perseguidores era aniquilar o cristianismo de uma vez por todas, logo no inicio, mas isso não foi e não será possível de modo algum, examine o que Jesus disse no versículo a seguir; Mateus 16:18  “Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. 

Em Roma a perseguição era terrível, porém os cristãos não negavam o Nome de Jesus e eram estraçalhados pelos leões cantando para Cristo seja a nossa vida. Certa ocasião li em livro histórico que um assessor de Nero chegando a ele disse-lhe; pare de matar cristãos porque quanto mais matam, mais cristãos surge em Roma. A perseguição perdurou até o tempo do imperador Constantino que se fingindo de cristão conseguiu misturar a religião com política trazendo muito prejuízo para a Igreja fiel. Após essa união começou a perseguição de forma sorrateira, porém, a perseguição religiosa, inquisição e outras modalidades duraram até que levantou Lutero, e outros reformadores que deram o grito de independência abrindo as portas para abertura de outras igrejas, surgindo assim as igrejas tradicionais continuando até que entorno do ano de 1900 quando alguns pregadores foram convidados para pregarem em Los Angeles na rua Azusa, pregadores esses que estavam cheios do Espírito Santo com a chama Pentecostal, de entre eles destacamos William Seymour , esses por algumas vezes foram impedidos de pregar por alguns que não aceitavam seus ensinos sobre os dons espirituais e o batismo no Espírito Santo. (Marcos 1:8 “Eu, em verdade, tenho-vos batizado com água; ele, porém, vos batizará com o Espírito Santo”).

O Jornal Times em sua edição de 18 de abril de 1906 publicou uma matéria contra esse avivamento da qual tiramos uma parte onde dizia; “devotos de doutrinas estranhas pregam as mais extravagantes teorias e se colocam num estado de loucura”. Mas essa matéria deu resultado positivo para o movimento pentecostal porque aumentou muito a curiosidade de conhecerem esses pregadores, ouvirem suas mensagens e assim começaram a freqüentar esses cultos. O Movimento Pentecostal da Rua Azusa foi alcançando êxito e conseguiram seus objetivos em levar a sã doutrina dos dons espirituais aos quatro cantos da terra. (de fato para muitos até hoje dons do Espírito Santo parece loucura conforme está escrito em 1 Coríntios 2:14Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”). Das bênçãos da Rua Azusa  saíram muitos homens de Deus como Gunar Vingre, Daniel Bergue, Franciscon, que vieram para o Brasil. Gunar Vingre e Daniel Bergue se abrigaram em uma das igreja tradicionais da qual foram expulsos por pregarem o Batismo no Espírito Santo e os dons do Espírito. Eles saindo daquela igreja fundaram a Assembléia de Deus em 1910 e Franciscon nessa mesma época fundou a Congregação Cristã no Brasil, igrejas essas que no principio tinham comunhão entre si. Com o passar dos dias entrando nas cabeças dos homens o poder indevido romperam esses laços fraternais, e a Congregação se tornou uma igreja unicista, mas mesmo assim continuaram anunciando a Salvação em Cristo. As igrejas que se denominavam pentecostais sofriam insultos e até provocação das demais que eram tradicionais.

No ano de 1950 com 17 anos de idade comecei a fazer parte da Assembléia de Deus em Guaianaz no Município de Pederneiras, era uma igreja que evangelizava e era de oração, desde o mais novo membro até os pastores oravam e saiam para o evangelismo. Nós éramos considerados pelas igrejas tradicionais como bodes e éramos motivos de zombarias. Certa ocasião estávamos em um culto na casa de um irmão em uma chácara em Pederneiras SP e inesperadamente entrou o encarregado da chácara que era membro de uma igreja tradicional, fumando e com o chapéu na cabeça sem nenhum respeito ordenou que parássemos com o culto. Em outra ocasião íamos realizar um culto de vigília (pura oração) em um sitio na casa de um dos donos, porém só ele era crente, os demais não faziam parte da igreja e eram incrédulos, mandaram alguém nos avisar que seriamos recebidos à bala, paramos no caminho e o dirigente irmão Antenor Antonio dos Santos (em saudosa memória) perguntou-nos; vamos voltar ou prosseguiremos? Todos os presentes; jovens, irmãs e irmãos, fomos unânimes; prosseguiremos, ali mesmo oramos a Deus prosseguimos, ao entrarmos no sitio ouvimos alguns tiros, mas não nos preocupamos com isso, realizamos o culto e pela manhã regressamos, nenhum mal nos aconteceu. Nessa época os crentes estavam sempre atentos para os trabalhos da Igreja, nem precisava ficar avisando que tal dia será a Santa Ceia, ou de outro evento qualquer.

Na década de 50 um culto ao ar livre se não me engano na cidade de Quintana próximo a Marília, dirigido pelo pastor Carlos Padilha de Siqueira (em saudosa memória) foi interrompido por um Sacerdote da Igreja Católica Romana que entrou no meio do culto com uma moto muito acelerada e gritava ao povo; venham católicos derramar sangue pelo amor de nossa senhora, ele não conseguiu arregimentar nenhum sequer para esse ato de desespero, todavia isso se repetiu por algumas vezes até que as autoridades deram um basta nessa atitude impensada de um representante religioso. O certo é que os crentes muitas vezes sofriam perseguições até no meio familiar. Muitas vezes ao entregarem um folheto da Palavra de Deus eram enxotados e lhes ordenavam que se retirassem de seus portões.

Quando uma pessoa aceitava a Cristo já sabia que sofreria essas humilhações.

Naquele tempo os crentes jovens, velhos, presbíteros, pastores entravam pelos sítios, fazendas, becos e valados levando as boas novas de salvação em uma simplicidade inigualável, os templos eram simples, uma boa parte dos cultos eram realizados em casa de irmãos, em salões alugados, nas ruas, assim como em todas as partes e as igrejas viviam em continua oração e muitos milagres aconteciam, crentes recebiam batismo no Espírito Santo em casa, nos cultos e até em ônibus, jejuavam em prol da igreja, quando um crente visitava o lar de outro irmão cantavam hinos da Harpa Cristã, oravam e liam a Bíblia e na igreja quando profetizavam as profecias se cumpriam quase de imediato, existiam revelações verídicas, hinos inspirados pelo Espírito Santo. Eu mesmo no começo da minha carreira ministerial dirigia cultos nas fazendas nas quartas feiras e sábados, e aos domingos dirigia alguns cultos debaixo de arvores frondosas próximo a casas de irmãos, tudo era uma benção, íamos a pé para esses lugares que muitas vezes eram bem distantes, pois não tínhamos outros meios.

Os irmãos dos sítios vinham para os cultos muitas vezes tiravam os sapatos dos pés para caminharem melhor e os colocavam nos pés ao chegarem, após lavarem seus pés que estavam empoeirados.

Os pastores cumprimentavam até os mais simples com um aperto de mão, um abraço. Obreiros, pastores, presbíteros e cooperadores sempre que iam dirigir cultos em sítios muito distantes levavam vasilhas com alimentação para comerem nas estradas, pois as caminhadas eram longas.

Os cultos sempre eram cultos com manifestação do poder de Deus e não emoções, sempre havia batismo no Espírito Santo. Os hinos avulsos eram verdadeiramente inspirados pelo Espírito suas letras e melodia falavam nas almas dos ouvintes, irmãos e irmãs simples que cantavam hinos inspirados por Deus atribuíam essa benção recebida ao Senhor Jesus e não se gloriavam e nem chamavam para si honras não. Tudo era JESUS.

Dado essas simplicidade reinante é que a Igreja avançou pelo Brasil a fora.

 Em suma: A simplicidade era grande, mas as benções concedidas por Deus eram muito maiores. Os crentes não se aliavam com o mundo, andavam modestamente trajados, não andavam seminus mostrando partes do corpo e nem fantasiados com exageros extravagantes de pinturas, de jóias e outras coisas do mundo como se vê hoje dentro das igrejas. Agiam como servos e servas de Deus, que não pertenciam a este mundo, aguardavam com sinceridade a vinda de Jesus. Faziam tudo pelo amor na Obra e como Paulo eles viviam e faziam tudo na simplicidade, 2 Coríntios 1:12  “Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que, com simplicidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria carnal, mas na graça de Deus, temos vivido no mundo e maiormente convosco”.

Se me perguntarem se não existiam pessoas desobedientes, indolentes e exageros, direi existiam sim, mas eram disciplinados e não se passavam a mão na cabeça e nem diziam isso não tem nada haver, pagavam silenciosamente por seus erros e depois entravam novamente na comunhão com a igreja. E quando se tornavam pecador inveterado era tirado da comunhão, pois até no tempo de Paulo já existiam pecadores imundos, veja o que Paulo fazia, I Coríntios 5:13  “Mas Deus julga os que estão de fora. Tirai, pois, dentre vós a esse iníquo”.  Quando as pessoas aceitavam a Jesus fosse ele jovem ou não os irmãos desde os jovens procuravam ensiná-los a buscarem os dons e lerem a Palavra de Deus, os visitavam e oravam por todos, isso faziam com prazer.

Todos trabalhavam exclusivamente para ver a obra crescer, não tinham segundos interesses, não pensavam em si mesmos, não chamavam a honra para si, nem pleiteavam status e etc.

 E a Igreja de Hoje?

 A igreja cresceu e adentrou por quase todos os rincões da nação brasileira continuando a missão de evangelização ordenada por Jesus Cristo.

Com o passar dos dias a igreja cresceu muito, adquiriu propriedades construiu templos, mas aos poucos foi entrando nela o nada tem haver e certos costumes do mundo foram entrando e é fácil de notar a diferença existente; antigamente ao chegar à porta da igreja bastava olhar já se sabia se tinha visitantes não evangélicos, notava se pelos trajes, pelo comportamento, hoje infelizmente não há diferença, com raras exceções, hoje se vê jóias, maquiagens com exageros, trajes deixando a mostras partes do corpo que não deviam estarem expostas, celulares tocando em pleno culto. E a doutrina da santidade onde foi parar? É bem claro que os exageros nem no passado e nem no presente foi e nem é bem-vindo, mas dizem os que defendem essas coisas; não tem nada haver e como fica o que o apóstolo diz em 1 Pedro 3:3  “O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de jóias de ouro, na compostura de vestes”.(será que esse versículo foi deletado?) Alguém diz; a roupa não significa santidade e nem salva ninguém, é verdade, mas faz parte dela, no período de oração adolescente, jovens e até obreiros ficam brincando com os celulares em desrespeito ao culto. Os pastores, com exceções chegam ao culto só cumprimenta os mais chegados, outros entram pelas portas do fundo, não vão ao evangelismo, nas vigílias, nos cultos na casa de irmãos, terminando o culto saem imediatamente, se um crente simples precisar falar com ele tem que passar por um dos assessores e até marcar audiência e muitas vezes são prepotentes ao tratarem com os simples. Pasmem, já chegou ao meu conhecimento que tem alguns que defendem a pratica do sexo oral e anal dizendo que a Bíblia nada diz a respeito e assim é o casal que resolve se pratica ou não e a doutrina da santidade onde fica, pois esses atos além de nefandos a sua pratica contraria a própria natureza.

Construções; constroem templos majestosos, muito luxo, muita beleza. Outros compram carro do ano, muitos até aviões possuem, chácaras para repouso. É errado possuir tais coisas? Com seus recursos próprios não, mas aproveitar dos recursos da igreja para bens particulares não tem amparo bíblico e está errado. Quanto a templos, precisamos sim de templos grandes e belos e com bastantes recursos para servir ao trabalho, mas não esquecendo que não somos dono da obra, ela é do mestre Jesus, temos que conservar em nós a simplicidade que houve em Cristo como diz o Apóstolo Paulo em 2 Coríntios 1:12  “Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que, com simplicidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria carnal, mas na graça de Deus, temos vivido no mundo e maiormente convosco”. E em 2 Coríntios 11:3  “Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da simplicidade que há em Cristo”.

Hoje existem exploradores que aproveitam deliberadamente dos recursos materiais das igrejas em seus benefícios próprios e de suas famílias

Outros que foram chamados para pastorearem o rebanho de Cristo entram para a política e ainda dizem não tem nada haver e que estarão lá para defender a igreja, até onde eu sei é que Jesus e o Espírito Consolador estarão sempre com a Igreja até o seu último dia na terra e depois eternamente nas mansões celeste. Você já viu algum político fazer algo de envergadura em favor da igreja? O erro da igreja no passado foi se misturar na política por meio de Constantino e hoje por acaso muitos púlpitos não estão cheios de políticos mentindo publicamente com suas promessas que nunca se cumprem?

Muitas igrejas tradicionais que nos consideravam como errados, hoje admiram porque os pentecostais estão entrando de onde eles estão saindo. As simplicidades e humildade estão quase totalmente extintas, têm igrejas que os cultos são verdadeiro show de danças, rodopiam como aviãozinho, pulam e rolam pelo chão, existem algumas que realizam festas juninas, disputam jogos de futebol entre igrejas de qualquer tipo de crença, hoje tem bailes evangélicos e outras peripécias, visões e profecias enganosas, cantorias com hinos de desabafos sem nenhuma inspiração, outrora os hinos avulsos inspirados nos enchiam de alegria espirituais hoje mexe com a carne vemos até crianças quando ouvem certos hinos (se é que podemos chamar de hinos) começam dançar e por fim são dados quinze minutos para a Palavra de Deus, a pessoa sai da igreja como entrou sem ouvir Deus falar. Os que ainda vivem na simplicidade jamais terão oportunidade de dar uma palavra porque os TEOLOGOS encheram os púlpitos, (não sou contra a teologia desde que ela não suba na cabeça e queira tomar o lugar do Espírito Santo que ela seja usada para o bem da igreja é o que precisa).

Hoje os cultos ao ar livre, vigílias, e ensinos genuínos estão quase em extinção, pois a doutrina da prosperidade de uma forma ou outra está presente em quase em todos os lugares, falam muito em dinheiro e se esquecem que a melhor parte não é essa e sim como Maria ouvir a Palavra de Deus, Lucas 10:42  “Mas uma só é necessária; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada”.

A certas igrejas que fazem verdadeiro comercio em seus meios, vendem frango assado, roupas, sapatos, toalhinha, travesseiros ungidos óleo para unção. Mulheres, diáconos e até os membros da igreja saem ungindo qualquer um. Se esquecem do que diz em Tiago 5:14 e 15  “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados”. (diz está alguém entre vós doente chame os presbíteros fica assim claro que a incumbência de ungir alguém é dos presbíteros) e assim vão fazendo trabalhos errados e praticando outras heresias, se esqueceram dos ensinos e atitudes tomadas por Jesus conforme diz em, Mateus 21:13  “E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração. Mas vós a tendes convertido em covil de ladrões”. E em Marcos 11:15  “E vieram a Jerusalém; e Jesus, entrando no templo, começou a expulsar os que vendiam e compravam no templo; e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas”.  Os que ordenam essas vendas dizem serem para missões e para assistência social. (Eu pergunto, Jesus mudou seus ensinos, Ele não pode mais dar o necessário para Sua Obra e agora permite aquilo que Ele proibiu no passado?). “Cantores e pregadores” cobrando um absurdo por uma noite de cantoria e às vezes com pregações pré-fabricada e ainda tem a coragem de dizerem que estão fazendo o trabalho de Deus e louvando ao Senhor.

Parece que as igrejas modernizaram tanto que estão ricas, nada lhes falta, seus lideres tem destaque, honras que a meu ver são indevidos, pois todas as glórias e honras pertencem a Jesus. Cada um procura mostrar seus feitos em majestosos templos isso com  maior grandeza e orgulho, (nunca fui, não sou e jamais serei contra construírem templo formosos, amplos com muito recursos para desempenho da obra, porém, com simplicidade e não com orgulho como se isso fosse eterno. Fico a pensar será que não estamos vivendo a igreja de Laodicéia (a meu ver sim) quando o orgulho e a ostentação de status e grandeza tomaram o primeiro lugar das lideranças com exceções é claro? Veja; Apocalipse 3:17  “Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta (e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu”) É só ir a Laudiceia na Turquia e ver o que sobrou da cidade e em conseqüência com a igreja local.

É claro que tem as exceções, pois Jesus disse em, Mateus 16:18  “Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. Assim existiu e sempre existirão igrejas fieis.

Quero deixar bem claro que não sou contra construírem templos belos e grandes, não sou contra os hinos avulsos, não sou contra a teologia desde que a Palavra de Deus ocupe o primeiro lugar e nem sou contra o obreiro ter seu sustento, pois Paulo diz em 1 Timóteo 5:18  Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: “Digno é o obreiro do seu salário”. Veja bem; Paulo diz; digno do seu salário, porém, sou contra e sempre serei contra as explorações que hoje se vê, eu sou contra certos hinos que são verdadeiros desabafo e provocações, sou contra o abuso de poder, e a prepotência e o orgulho em detrimento aos simples, sou contra as dinastias que quase sempre se dá quando o ministro já não tem condições de continuar na liderança logo transfere a liderança para os filhos. E digo isso sem medo, pois fui presidente 26 anos da Assembléia de Deus Ministério de Várzea Paulista e quando cheguei próximo dos oitenta anos de idade voluntariamente reuni os obreiros e exigi que escolhessem outro líder eu não apontei ninguém para a liderança e entre eles estavam dois pastores que são meus netos e foi escolhido um pastor que não faz parte de minha família, com quem ainda cooperamos com prazer e a obra segue avante, pois ministro é e deve ser servos dos servos, remador das partes baixa e jamais será dono da obra. Antes ser evangélico era negar a si mesmo, hoje ter o nome de evangélico está sendo status, isso é, ter o nome, porque ser servo fiel é outra coisa, muitas vezes é tido como ignorante, ultrapassado, quadrado, é melhor ser quadrado para não rolar para o inferno.

Leia tudo e tire a sua conclusão e diga com isenção de animo; tem ou não tem diferença entre a igreja do passado e a do presente.

Creia em Cristo e leia a Bíblia com reverencia.

Pastor  Ismar V. Malta

 

 

 

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR ESTE TEXTO

Nome:
E-mail:
   

Comentário:

(0 / 250)

Voltar

Pr. IsmarLivros MensagensEstudosFotosContatos LinksHome

© Copyright 2017 - Pastor Ismar Vieira Malta - Desenvolvido pela Agência de Sites Jundiaí e Portal Imóvel Já